21 dezembro 2010

Um Santo e Doce Natal!

Mamã, o Pai Natal vai chegar, poix é? Sim, vai.. E vai tazer muitas pênas pa mim, poix é mamã? Eu potei bem! Sim, vai..

Aos poucos o cenário compõe-se. Os presentes estão terminados e separados por lares. A ementa está definida e as tarefas distribuídas. Na sexta-feira põe-se os últimos afazeres ao lume enquanto se veste a mesa a rigor. Vermelho, branco e dourado. Os ponteiros vão percorrendo rapidamente as horas e os minutos e a família começa a chegar. As três pirralhitas nem vão dar pelas garfadas a entrar na boca com a ânsia de ver chegar o velhote das barbas brancas. Deixam-se enganar pela brincadeira e ao soar o toc toc na porta, a magia acontece!

Um Santo e Doce Natal a todos!

 
Photobucket


GINGERBREAD MEN LOLLIPOPS
Ingredientes: 250g de manteiga sem sal à temperatura ambiente, 105g de açúcar amarelo, 125g de açúcar branco, 345g de melaço (usei 245g de golden syrup e 100g de melaço de cana), 1 ovo grande, 780g de farinha (usei 810g devido ao facto do melaço de cana ser mais liquido), 1 colher de café de bicarbonato de sódio, 1 colher de sopa rasa de gengibre em pó, 1 colher de chá de canela em pó, 1 colher de café rasa de noz moscada, ½ colher de café de pimenta da Jamaica (extra à receita original), ½ colher de café de sal

Para decorar: Glacê real, corantes diversos
Extra: Saquinhos de papel celofane, pauzinhos de chupa, fitas coloridas, etiquetas

(T): Bata a manteiga com a batedeira até estar cremosa. Junte os dois tipos de açúcar e continue a bater até que o açúcar se tenha dissolvido. Incorpore lentamente e a baixa velocidade o melaço. Junte o ovo e continue a bater até obter uma mistura homogénea.
Peneire a farinha juntamente com o bicarbonato de sódio, as especiarias e o sal. Junte a farinha à mistura da manteiga, em duas vezes, e bata a baixa velocidade até estar tudo bem ligado.
Divida a massa em quatro porções iguais, envolva cada uma em papel celofane e refrigere durante duas horas pelo menos (deixei a noite toda no frigorifico). Estique cada uma das porções de massa entre duas folhas de papel vegetal com uma espessura de aproximadamente 6mm. Leve cada uma das placas de massa ao congelador por 15 minutos. Pré-aqueça o forno a 200º. Retire uma placa de massa de cada vez e corte os homenzinhos de gengibre com os cortantes próprios (mergulhe os cortantes na farinha antes de cortar as bolachas para evitar que agarrem à massa). Retire o excesso de massa e transfira-os para o tabuleiro de forno. Se quiser colocar os pauzinhos de chupa em cada um corte uma fila de homenzinhos de pé e por cima uma outra fila de cabeça para baixo (deixe algum espaço entre eles de modo a não se pegarem durante a cozedura). Leve ao forno durante aproximadamente 7 minutos ou até que estejam dourados. Retire-os do forno e deixe arrefecer por completo antes de os transferir para outro local.
Repita a mesma operação com as restantes placas de massa guardando os restos da massa embrulhados em papel celofane no frigorífico.
Repita o mesmo procedimento com esta massa apenas mais duas vezes.
Quando estiverem completamente frias decore-as a gosto aplicando o glacê com uma manga de pasteleiro de bico fino. Deixe secar bem.
Coloque as bolachas em saquinhos individuais de celofane, feche-os bem com uma fita colorida (para evitar que sequem) e termine com a etiqueta personalizada.
Photobucket

Notas:- Receita adaptada nas quantidades daqui . Quantidades utilizadas entre ( );
- Pode fazer bolachas sem os pauzinhos de chupa, decorando-as da mesma forma e colocando-as dentro de saquinhos de celofane maiores;
- Sugiro que deixe a massa repousar no frigorífico de um dia para o outro de forma a intensificar o aroma da massa;
- Esta receita rendeu 25 gingerbread men e 85 bolachas.

15 dezembro 2010

Bolo-Rainha com sabores do Algarve

Voltando a falar de tradições da época Natalícia e nomeando um bolo de presença indispensável na mesa, rapidamente nos lembramos do Bolo-Rei. Adorado por muitos pelo sabor característico que as frutas doces lhe emprestam, detestado por outros exactamente pelo mesmo facto, ele acaba sempre por lá estar. Ele ou a sua versão menos tradicional, de sabor menos adocicado e frutado, mas mais rica na sua essência pela mistura de frutos secos que a compõem, o Bolo-Rainha. Este é o meu preferido, sem dúvida.

Mas, no que respeita a tradições, as minhas raízes profundas de algarvia acabam sempre por influenciar todo e qualquer costume. E se penso em frutos secos a amêndoa e o figo surgem logo no topo. Troca-se a laranja por tangerina, que por esta altura estão no auge da sua doçura. E para completar, junta-se-lhe o medronho em vez do vinho Porto. O resultado? Um Bolo-Rainha de aroma e sabor algarvio. Não deixem de experimentar!

Photobucket

Bolo-Rainha com sabores do Algarve


Ingredientes: 70g de açúcar, casca de 1 tangerina e 1 limão (só o vidrado), 120g de leite, 70g de manteiga à temperatura ambiente, 1 ovo grande, 40g de fermento fresco, 20g de sumo de tangerina, 35g de aguardente de medronho, 445g de farinha de trigo, 1 pitada de sal, 300g de frutos secos (mistura de 120g de figos secos picados, 100g de amêndoas com pele, 50g de nozes, 30g de pinhões), açúcar, leite e mel para finalizar


(B): Pulverize o açúcar e as cascas da tangerina e do limão 15 segundos, na velocidade 9. Junte o leite e a manteiga e programe 45 segundos, temperatura 37º, velocidade 2.
Com a Bimby em funcionamento na velocidade 3, deite pelo bucal o ovo ligeiramente batido, o fermento, o sumo da tangerina e o medronho e misture durante alguns segundos. Mantenha a Bimby em funcionamento e junte a farinha, pouco a pouco através do bucal e por fim o sal. Aumente a velocidade para a velocidade 9 durante 30 segundos.
Programe 3 minutos, na velocidade Espiga, e verifique se a massa forma uma bola que não agarra às paredes do copo. Se agarrar, polvilhe com um pouco de farinha e volte a amassar na mesma velocidade.

Deixe repousar a massa dentro do copo até levantar o copinho medidor. De seguida programe 15 segundos, na velocidade 9. Programe 1 minuto, na velocidade Espiga e nos últimos segundos deite pelo bucal a mistura dos frutos secos.
Retire a massa para uma superfície enfarinhada e amasse um pouco para retirar o ar. Forme duas bolas do mesmo peso. Estique-as rolando-as na bancada, uma de cada vez. Enrosque uma na outra e forme uma coroa unindo muito bem as pontas. Amachuque um pedaço de papel de alumínio formando um cilindro largo e coloque no centro de modo a manter a abertura da coroa. Deixe levedar coberto com um pano até dobrar o volume.
Ligue o forno a 180º. Pincele o bolo levemente com o leite e decore com frutos secos e torrões de açúcar humidificado. Leve ao forno por cerca de 20 minutos ou até estar cozido. Sugiro que a meio do tempo coloque uma folha de alumínio sobre o bolo para evitar que se queime (como foi o meu caso).
Deixe arrefecer. Dissolva 3 colheres de sopa de mel numa colher de chá de água e pincele o bolo.

Photobucket

Notas:- Se pretender pode usar vinho do Porto em vez da aguardente e uma mistura de frutos secos e cristalizados de forma a obter o tradicional Bolo-Rei;
- Pode dar-lhe a forma mais tradicional em vez de rosca como descrito na receita, formando um círculo aberto com a massa;
- Ao invés do mel poderá pincelar o bolo com geleia de marmelo aquecida;
- Receita da revista Bimby Momentos de Partilha n.º 5, alterada nas quantidades e ingredientes.

Dicas:- Se quiser oferecer este bolo como presente de Natal, depois de bem seca a cobertura, passe uma fita larga decorada pela abertura do bolo e dê um laço grande na zona de junção da massa. Coloque uma etiqueta com uma mensagem de Natal. Por fim, envolva-o em papel celofane transparente.

10 dezembro 2010

Brownies trufados de chocolate branco e café

Continua a viagem pelas cores e sabores da quadra. E como o Natal a mim sabe-me sempre a chocolate, aqui fica uma sugestão que, estou certa, agrada (e muito!) aos grandes apreciadores de chocolate. É denso, intenso e fica um charme vestido de papel de seda vermelho. : )

Bom fim-de-semana!

Photobucket

Brownies trufados de chocolate branco e café (e pinhões)
Ingredientes: 240g de chocolate negro (70% de cacau), 100g de manteiga sem sal, 2 colheres de chá de café em pó + 3 colheres de sopa de água (substituí por 4 colheres de sopa de café expresso forte tirado na hora), 3 ovos, 135g de açúcar amarelo refinado, 55g de farinha, 70g de pepitas de chocolate branco (substituí por 40g de pepitas de chocolate branco + 30g de pinhões), cacau em pó para polvilhar (usei açúcar em pó)
(T): Pré-aqueça o forno a 150º e forre uma forma quadrada de cerca de 18cm com papel vegetal.
Derreta o chocolate com a manteiga em banho-maria. Deixe arrefecer. Dilua o café na água quente e reserve.
Bata o açúcar com os ovos até obter uma mistura cremosa. Junte o café e misture. Peneire a farinha para o recipiente com a mistura dos ovos e envolva delicadamente. Junte o chocolate derretido e envolva bem. Por fim junte as pepitas de chocolate e os pinhões e envolva.
Deite a mistura na forma e leve ao forno durante cerca de 15/18 minutos. Deixe arrefecer por completo, polvilhe com cacau em pó e corte em quadrados.

(B): Pré-aqueça o forno a 150º e forre uma forma quadrada de cerca de 18cm com papel vegetal.
Derreta o chocolate com a manteiga em banho-maria. Deixe arrefecer. Dilua o café na água quente e reserve.
Bata o açúcar com os ovos 4 min, 37º, vel 4. Misture o café 5 seg, na vel 3. Peneire a farinha para o copo e envolva 4 seg, na vel 3. Junte o chocolate derretido e envolva com ajuda da espátula e por fim junte as pepitas de chocolate branco e os pinhões.
Deite a mistura na forma e leve ao forno durante cerca de 15/18 minutos. Deixe arrefecer por completo, polvilhe com cacau em pó e corte em quadrados.
Photobucket
Notas:- Receita adaptada, nas quantidades e ingredientes, do livro Popina - Book of Baking. As alterações à receita original estão colocadas entre ( ).

06 dezembro 2010

Perdiz dos catorze

No Natal cumprem-se tradições gastronómicas de família que vão passando de geração em geração. Poderá ser o bacalhau cozido com couves, o peru assado, o polvo no forno, o cabrito.. E a tradição é sinónimo disso mesmo, dos hábitos e costumes de cada um, que se vão enraizando e sofrendo as alterações inerentes ao passar dos tempos e das gerações, claro. Em minha casa o bacalhau cozido com couves reinou sempre na Consoada mas, na presença de mais novos, que torcem sempre o nariz ao “peixe cozido”, junta-se-lhe sempre uma travessa de bacalhau com natas ou espiritual ou uma versão semelhante. O importante é agradar a todos porque a tradição já lá está: a família reunida à mesa!

E por isso hoje trago uma sugestão que pode perfeitamente subir à mesa neste Natal. Um perdiz estufada lentamente em 13 ingredientes que, em conjunto com ela, dão o nome à receita.

Boa semana!

Photobucket


Perdiz dos catorze

Ingredientes: 1 perdiz, 1 cebola pequena picada, 2 dentes de alho, 1 colher de sopa de banha, 1 colher de sopa de manteiga, 2 colheres de sopa de azeite, 1 folha de louro, 1 ramo de salsa atado, 4 tirinhas de toucinho, ½ dl de vinho branco, umas gotas de vinagre, 1 pitada de cominhos, sal e pimenta preta q.b.

(T): Esfregue a perdiz com sal e pimenta e coloque-a num tacho de barro onde já devem estar todos os restantes ingredientes. Tape o tacho e deixe estufar em lume brando, deixando apurar muito bem. Depois de estufada transfira a perdiz para um prato ou travessa. Passe o molho por um passador de rede fina e deite sobre a perdiz (saltei esta operação porque gosto de sentir os pedacinhos de cebola no molho).
Acompanhe com batatinhas novas assadas no forno ou com esparregado.


Notas:
- Deixei a perdiz estufar inteira até estar bem cozinhada e depois abri-a ao meio e deixei-a ganhar sabor ao lume durante uns minutos de um lado e outro;
- Se necessário, junte um pouco de água quente a meio da cozedura;
- Receita do Livro de Pantagruel, ligeiramente adaptada nas quantidades dos ingredientes.

03 dezembro 2010

A pensar no Natal...

Photobucket

Se há mais movimentações na cozinha ao fim-de-semana não é só sinal de que o frio chegou. É sinal de que o Natal está a aproximar-se e que estão de volta as experiências gastronómicas para a quadra.
Presentes, lembranças docinhas e, claro, as iguarias da consoada e do dia de Natal já andam a ser estudadas e testadas. : )

Para começar deixo-vos estas bolachinhas delicadas da Bea. Quase não necessitam de papel de embrulho porque são lindas só por si. E são capazes de arrancar rasgados sorrisos a quem as recebe!

Bom fim-de-semana e boas experiências culinárias!
Photobucket

BOLACHAS DE GOLDEN SYRUP
Ingredientes: 150g de manteiga à temperatura ambiente, 125g de açúcar glacê, 1 ovo grande, 2 colheres de Golden Syrup (ou mel), extracto de baunilha a gosto, 450g de farinha, 1 pouquinho de leite para ligar a massa (se necessário)

Para decorar: cortantes diversos, palitos, palhinhas, paus de espetadas, outros

(T): Peneire a farinha e reserve. Bata a manteiga até que fique cremosa. Adicione o açúcar e continue a bater até que esteja bem ligado. Juntar o ovo ligeiramente batido com o extracto de baunilha e o Golden Syrup e envolva bem.
A uma velocidade mais baixa, junte a farinha até que esteja incorporada. Se a massa ficar um pouco seca, deite-lhe um jorro de leite até que esteja bem ligada.
Divida a massa em duas porções iguais. Estique-as com um rolo entre duas folhas de papel vegetal. A massa deverá ficar com uma espessura de 0,5cm aproximadamente.
Coloque ambas as placas de massa no frigorífico durante pelo menos duas horas ou no congelador por 15 minutos.
Retirar uma das placas de massa e corte as bolachas com os cortantes. Decore as bolachas a gosto, cubra-as com a outra folha de papel vegetal e volte a colocar no frio. Esta operação fará com que as bolachas não percam a forma quando forem ao forno.
Retire a outra placa de massa e proceda da mesma forma.
Retire do frio as primeiras bolachas cortadas e asse-as em forno pré-aquecido a 175º durante cerca de 10-15 minutos. Verifique constantemente para evitar que cozam demasiado (quando os bordos estiverem ligeiramente dourados pode retirá-las do forno). Deixe-as arrefecer no tabuleiro durante cinco minutos antes de as transferir para outro local.
Photobucket

Notas:- A massa deve estar a uma temperatura perfeita para que os cortantes saiam limpos e a massa não quebre ao decorar;
- Depois de cortar as bolachas, e antes de as decorar, coloque-as no tabuleiro (sobre o papel vegetal) onde as vai levar ao forno para não ter que as mover mais, evitando assim que se quebrem;
- Junte todos os pedacinhos de massa que sobram depois das bolachas cortadas e volte a estender em placas, procedendo da mesma forma para fazer mais bolachas;
- Esta receita rendeu-me 50 bolachas de diversos tamanhos e formatos.