28 novembro 2008

Perdiz na panela à Figo Lampo

A minha sogra ligou-me há uns dias a perguntar se eu queria lebre porque o meu sogro tinha trazido duas do domingo de caça e mais 3 perdizes. Como ela sabe que eu adoro coelho costuma guardar lebres pra mim quando o meu sogro as traz. Mas eu confesso que prefiro um bom coelhinho manso a uma lebre. Claro que uma feijoada de lebre vem sempre a calhar mas desta vez escolhi as perdizes.

Depois de desligar o telefone pensei: "..bolas.. eu nunca fiz perdizes.." Enquanto elas chegaram a casa já sem casaco de penas e prontinhas a ir para o tacho eu vasculhei o meu dossier e entre papéis e papelinhos encontrei uma receita de perdiz de escabeche que não me convenceu totalmente. Mas antes que as coitaditas se constipassem, joguei-lhe as mãos e os ingredientes e panela fechada.

No fim, o cheirinho na cozinha e a prova final resultaram num pedido para guardar as próximas cá pra casa. O nome.. pois.. foi o que saiu. ; )



Ingredientes: 3 perdizes bravas partidas em bocados, 0,5 dl de vinho branco, 0,5dl de água, 0,5 dl de vinagre, 1 colher de sopa de Martini, 2 folhas de louro, 1 cebola grande, 5 dentes de alho, azeite, sal, rosmaninho e pimenta q.b., pão frito a gosto


(T): Cobrir o fundo da panela de pressão com azeite e os dentes de alho laminados. Juntar as perdizes e deixar cozinhar 5 minutos, virando-as de vez em quando.
Cobrir com a cebola cortada em meias luas finas e as folhas de louro partidas em bocadinhos. Regar com o vinho, a água, o vinagre e o Martini. Temperar com sal, pimenta e rosmaninho a gosto. Deixar cozinhar até começar a sair pressão. Retirar a pressão toda, retificar os temperos e deixar cozinhar por mais 15 minutos.

Servir polvilhado com salsa e acompanhado com tiras de pão caseiro frito e arroz branco.



Bom apetite e, já agora, bom fim-de-semana prolongado!

26 novembro 2008

Salada mista de frango, tomate cereja e pesto de majericão

Ainda hoje é terça-feira e o cansaço já se pendura em cima dos ombros. O fim-de-semana nem o vi.. Sexta-feira à tade chega a casa, desfaz mala, lava roupa de casa e da viagem, passa a ferro, faz refeições, prepara a roupa da escolinha para a semana e já é segunda-feira de novo. Um dos meus pedidos ao Pai Natal este ano é, definitavmente, um relógio com 48 horas!

Mas no meio deste corre corre ainda houve tempo para fazer um bolo rainha delicioso (depois venho cá deixar a receita e a foto), terminar mais um dos meus projectos na blogosfera, o Era uma vez... e trazer uma saladinha pra vocês.


Salada mista de frango, tomate cereja e pesto de majericão

Ingredientes: alface, massa penne, bifes de frango, tomate cereja, azeitona preta fatiada, pesto de manjericão q.b.

(T): Temperar os bifes com sal e sumo de limão 30 minutos antes. Grelhar os bifes na chapa, cortar em tiras finas e reservar. Entretanto cozer a massa em água, sal e um fio de azeite. Escorrer e reservar. Lavar bem as folhas de alface e cortá-las em tiras. Dispor num prato a massa, colocar por cima a alface, o frango, o tomate cereja em quartos e as azeitonas fatiadas. Regar com o pesto a gosto e servir de imediato.

Bom apetite!

22 novembro 2008

Torta de cenoura

Cheguei ontem finalmente a casa depois uma semana chata de reuniões. Quase todos os anos estou nesta feira de golfe que percorre o mundo e que este ano, à semelhança de 2006, decorreu em Marbelha. Sinceramente não sou apaixonada por Marbelha, nem lhe reconheço grande beleza. É demasiado turística e nesta altura assemelha-se bastante a Albufeira no Inverno. Há apenas o rebuliço diário dos habitantes.

Os restaurantes estão vazios e a nossa presença vem dar algum trabalho aos empregados que permanecem esncostados ao balcão. Comemos mal todos os dias. Nem mesmo nas "pesqueras" se consegue comer peixe fresco tal é a falta de turistas.. No recinto da feira o almoço foi paella nos 3 dias. Mas paella só mesmo de nome porque era apenas um prato de arroz tingido de amarelo e decorado com 2 ou 3 pedacinhos de carne e 2 ou 3 camarões. Enfim.. O melhor de tudo foi o presunto serrano, o queijo manchego, o vinho e o bloco de foie gras que trouxe na bagagem. ; )

Ainda só cozinhei coisas leves para aliviar o estômago da intempérie que por lá passou esta semana. E para isso nada melhor que uma canjinha de frango do campo. Mas como tinha prometido colocar cá algumas receitas da festinha da Mathilde, hoje fica a torta de cenoura que é uma doce maravilha.




Torta de cenoura

Ingredientes: 600gr de cenoura, 1 pau de canela, 300 gr de açúcar, 4 ovos, 4 colheres de sopa de farinha, 1 colher de chá de fermento em pó, sumo e raspa de 1/2 laranja, canela em pó para polvilhar

(T): Cozer as cenouras com o pau de canela e reduzi-las a puré (retirar o pau de canela antes). Juntar o açúcar, a raspa e o sumo da laranja, os ovos inteiros e bater bem. Envolver a farinha com o fermento e juntar ao preparado. Misturar bem. Deitar o preparado num tabuleiro forrado com papel vegetal e untado com margarina. Cozer em forno pré-aquecido a 170º, durante cerca de 20 minutos.
Desenformar a torta ainda quente sobre um pano polvilhado com bastante açúcar. Retirar o papel vegetal, polvilhar com a canela em pó e enrolar delicadamente com a ajuda do pano.

(B): Colocar a cenoura no cesto partida aos bocados juntamente com o pau de canela, introduzir o cesto no copo e programar 18 min, temp 100, veloc 3. Escorrer a água, retirar o pau de canela, colocar a cenoura no copo e reduzir a puré uns segundos na vel 5-7-9. Juntar o açúcar, os ovos inteiros, a raspa e o sumo da laranja e misturar bem 5 min, vel 3. Acrescentar a farinha e o fermento e misturar 15 seg, vel 4.

Deitar o preparado num tabuleiro forrado com papel vegetal e untado com margarina. Cozer em forno pré-aquecido a 170º, durante cerca de 20 minutos.Desenformar a torta ainda quente sobre um pano polvilhado com bastante açúcar. Retirar o papel vegetal, polvilhar com a canela em pó e enrolar delicadamente com a ajuda do pano.




Bom domingo!

17 novembro 2008

Coelho com salvia

Hoje o post é curto porque estou no fim de um dia longo e amanhã a viagem é até Marbelha onde me espera uma semana de trabalho. Já está tudo arrumado e pronto e até lá resta-me uma noite que espero bem dormida e matar as saudadinhas que já ameaçam chegar.

Deixo-vos um dos meus pratos favoritos e desejo-vos boa semana!

Coelho com salvia

Ingredientes: 1 coelho partido em bocados, 1 cebola grande, 5 dentes de alho, 2 dl de vinho branco seco, 2 folhas de louro, 1/2 ramo de salvia, 1 colher de chá de pimenta preta em grão, 1 colher de chá de pimentão doce, azeite e sal q.b.

(T): Tempere o coelho umas horas antes de o confeccionar com sal, o vinho, os alhos laminados, a cebola em meias luas e louro.

Cubra o fundo de uma caçarola de barro com azeite e aloure o coelho uns minutos. Junte a pimenta, o pimentão doce, a salvia e a marinada e deixe cozinhar em lume brando e tapado durante aproximadamente 30 minutos.

Sirva acompanhado com arroz branco ou batata frita às rodelas.

14 novembro 2008

Um cozido à portuguesa que ficou a meio..

Suspiro ao escrever este post só de pensar no tupperware que está no frigorifico com metade do cozido à portuguesa que ficou por comer... Eu explico. Na terça-feira, dia de São Martinho, pensei em fazer um prato bem nosso. Passei no talho, onde comprei as carnes e os enchidos, e na mercearia, de onde trouxe a couve e umas castanhas para assar. Enquanto o cozido se preparou assei umas castanhas no forno com sal grosso. Pela casa pairava um cheirinho de infância tão bom..


Jantámos bem e, como somos apenas dois à mesa, guardei a "metade" que sobrou para almoçar no dia seguinte. Até aqui tudo bem não fosse a dor de estômago que me atacou a meio da manhã e se prolongou pela tarde fora. Nem almocei. A chegada a casa ao fim do dia foi já com um certo custo. O sofá amparou-me por algumas horas até as dores serem insuportáveis. Ainda contrariada lá fui ao médico que prontamente me observou e me diagnosticou uma gastroentrite viral transmitida, eventualmente, pela filhota.

Ok. Injecção intravenosa e umas carteirinhas solúveis. A juntar a isto, a dieta forçada de chá ou ice-tea com 1 ou 2 bolachas Maria no dia seguinte e dois dias depois, se me sentisse melhor, autorização para comer uma torrada sem manteiga.

Habitualmente visito os blogs depois de jantar mas hoje nem os abri porque depois de ter passado um dia a chá e a meia dúzia de bolachas, seria muito masoquismo da minha parte se o fizesse. : )

Já me sinto melhor e como não gosto de estar muito tempo longe do blog, aqui fica a receita do cozido à portuguesa com os ingredientes que gostamos, garanto-vos, estava divinal!



Cozido à portuguesa

Ingredientes (para 2 pessoas): 200gr carne de vaca para cozer, 2 peitos de frango, 200gr entrecosto/entremeada, chispe, 1 chouriço de sangue, 1 chouriço mouro, 1 farinheira, 1 morcela, bacon e toucinho, 1/2 couve coração, 2 cenouras, 2 batatas, 1 chávena de chá de arroz, sal q.b.

(T): Coza todas as carnes e o toucinho cortadas em pedaços pequenos (pedi no talho para cortarem logo) na panela de pressão com água e sal. Escalde os enchidos em água a ferver durante 10 minutos e reservar a água da cozedura. Quando as carnes estiverem bem cozidas e macias escorra-as da água da cozedura e reserve-as. Coza os legumes - as batatas e as cenouras cortadas em 4 no sentido do comprimento e a couve separada em folhas - na água dos enchidos. Quando os legumes estiverem bem cozidos, volte a juntar os enchidos e deixe cozinhar por mais 10/15 minutos. No final da cozedura escorra-os bem com uma escumadeira e disponha-os numa travessa juntamente com as carnes.
Coza o arroz na água da cozedura da carne e sirva como acompanhamento.



(B): Coloque no copo o entrecosto, a carne de vaca, o chouriço de carne, o toucinho e o bacon. Junte 900gr de água e sal q.b.
Na varoma colocar os peitos de frango, a couve, as cenouras, as batatas, a farinheira , o chouriço mouro, a morcela, e o chispe. Salpicar com o sal e tapar.
Programar 50min, temp varoma, vel colher inversa.
No final do tempo disponha as carnes, os enchidos e os legumes numa travessa juntamente.
Para o arroz, colocar o cesto no copo com a água da cozedura, deitar o arroz e programar 15min, 100º, vel 3.



Notas: Habitualmente o cozido à portuguesa leva também orelha de porco e nabo mas como cá em casa não gostamos não usei.

11 novembro 2008

100 posts, 10 mil visitantes e um bolo de maçã e nozes pecãs para comemorar


Não me vou alongar muito neste post. Quero apenas deixar uma palavra de AGRADECIMENTO a todos os que me visitam e que são o alento para cada receita nova que aqui coloco e para cada momento que partilho. Faço-o porque gosto de cozinhar, de fotografar, de escrever e sobretudo de partilhar. E faço-o porque sinto que a empatia e o carinho são recíprocos e porque a troca de experiências leva-nos mais longe e torna-nos mais ricos enquanto seres humanos.

Este blog começou por brincadeira. Tinha criado o Viagens há algum tempo e sentia necessidade de algo mais. E assim fui testando templates, criando cabeçalhos, e postando receitas que ía fazendo. Tudo offline. Finalmente ganhei coragem e decidi colocá-lo online e dar a conhecer um pouco mais das preferências, gostos e estórias da Margarida.

Hoje somo 100 posts e 10 mil visitas a esta minha cozinha que se tornou de todos vós. Prometo continuar por aqui sempre quje me for possível. De vós apenas espero que me continuem a presentear com a vossa visita. Eu vou receber-vos sempre da melhor forma que sei, com um sorriso e uma palavra amiga!

E porque comemoração sem bolo não é comemoração, aqui fica este bolo especialmente para vocês! Obrigada!



Bolo de maçã com nozes pecãs

Ingredientes: 2 maçãs Granny Smith ou Golden, 0,5dl de sumo de limão, 100gr de nozes pecãs, 100gr de manteiga, 4 ovos, 150gr de açúcar, 1 colher de sopa de canela em pó, 120 gr de farinha, 1 colher de chá de fermento em pó

(T): Triturar as nozes e reservar. Ralar as maçãs, regar com o sumo de limão e reservar. Bater o açúcar com a manteiga até obter um creme esbranquiçado. Juntar as gemas uma a uma batendo sempre. Envolver bem as nozes e a canela e depois a maçã. Juntar a farinha com o fermento envolvendo delicadamente. Por fim incorporar as claras batidas em castelo.

Levar a forno pré-aquecido a 180º durante aproximadamente 25/30 minutos.


10 novembro 2008

Desafio literário, o fim-de-semana e as lagartas do quintal

A Canela do blog Sabores de Canela lançou-me o desafio de:
  • exibir 3 livros que gostamos
  • lançar o desafio a 5 amiga(o)s da blogosfera

Como ela também optei pelo tema do blog, principalmente por não me ser fácil nomear apenas 3 dos livros que fazem parte da minha biblioteca literária.


Escolhi 2 livros que já tenho há algum tempo na estante da cozinha e aos quais recorro habitualmente para sugestões, dicas e técnicas e ingredientes. Troquei o 3.º livro por duas revistas a que sou bastante fiel, que não dispenso nunca e que são uma excelente fonte de inspiração:


- O livro de Pantagruel, 62.ª edição, 2002

- Doçaria Tradicional Portuguesa do Chefe Silva, 1.ª edição, 2000

- Revista Saberes e Sabores, da Vaqueiro e Revista blue cooking


Passo este desafio às cozinheiras:


Ana, do Magic Flavours

Mari, do Mari's Kitchen

Téia, do Banquetes e Lanchinhos

Susana, do Menos Calorias, Mais Vida!

Liliana, do Surpresas Coloridas


Este fim-de-semana foi passado no norte, em Matosinhos. O marido teve uma prova de vela e nós lá fomos quase com a casa atrás. Sim porque ir passar o fim-de-semana fora com um bebé de 12 meses é assim.. O tempo estava frio e chuvoso e não deu para grandes aventuras. Mas deu para comer um leitãozinho na Mealhada e provar um excelente arroz de serrabulho acompanhado por rojões e as frituras de belouras. Divinal!


O arroz de serrabulho tem um sabor muito característico e é feito com o sangue do porcoe as carnes desfiadas. No seu tempero é bastante importante o
sumo de limão, louro, cravinho e cominhos do arroz. Os rojões são servidos em travessa à parte juntamente com as frituras de belouras e são acompanhados de batata alourada em banha de porco e cortadas em cubos. Aconselho vivamente!


O regresso a casa foi ontem por volta das 23h30, com muito cansaço e anseio por uma boa noite de sono. E hoje, quando fui ao quintal ver as minhas plantinhas e ervas aromáticas, deparo-me com um triste cenário.. Três verdes lagartas deram fim, literalmente, à minha hortelã que ainda na sexta-feira estava coberta de dezenas de folhas verdes. Fiquei capaz de comer as lagartas à dentada! E ainda houve uma que passou para o vaso do manjericão e furou duas folhas. Mas, ao que parece, a bicha não era fã destas ervas mais modernas e ficou por ali. O que vale é que elas não se lembraram de ir ao canteiro da salvia, dos coentros e da salsa porque há ums meses acabaram-me com a cultura.. Mas hoje já lhes trato da saúde, ai trato, trato!


Vejam lá como ficou..

Photobucket

06 novembro 2008

Pizza for Obama

Os EUA têm um novo Presidente. Obama ganhou as eleições norte-americanas e o mundo aguarda novos ventos de mudança, tendentes ao equilíbrio global. Obama tem uma dura tarefa pela frente mais que não seja pelo simples facto de não defraudar as expectivas que os mais de 130 milhões de cidadãos americanos depositaram nele ao colocarem o seu voto nas urnas.

Destes e dos que pelo mundo inteiro vêem nele a chave de engrenagem do motor da economia mundial e, consequentemente, um travão a esta turbulência dos mercados financeiros.

Nós pelo menos somos parte desses crentes já que nesta miséria de país, em que em vez de se governar mais parece que se vendem computadores, continua tudo na mesma. Crise começa a ser palavra mais usada no seio das familias portuguesas. Mas, continuamos a "vender" computadores. E não vale a pena falar nas outras desgraças. Estamos todos fartos de as conhecer, infelizmente.

E porque tristezas não alimentam o corpo nem a alma, comemoremos a vitória de Obama, à boa maneira americana, com pizza, como o americano cá de casa tanto gosta.



Para a massa, que fiz na Bimby usando a receita de Pan Pizza da Irebelo:

Ingredientes: 200 gr de água, 3 colheres de sopa de leite em pó magro, 1 colher sopa de açúcar, 2 colheres sopa de azeite, 1 colher chá de sal (5gr), 400 gr de farinha de trigo, 20 gr de fermento de padeiro


(B):
Colocar a água, a levedura, o açúcar, o leite em pó e o azeite e programar 1min, temp 37º, veloc 3. Juntar a farinha e o sal e programar 2m, veloc. espiga.
Deixar a massa levedar 30min, tapada e em lugar seco
Retirar o ar da massa e dividir em duas bolas.
Untar mto bem os tabuleiros e esticar a massa de modo a obter dois discos.
Deixar levedar mais 45min, em lugar seco e tapada.


Enquanto a massa está a levedar prepara-se o molho de tomate levando ao lume azeite, alho picadinho, tomate sem pele nem grainhas em pedaços e uma folha grande de manjericão fresco. Deixar cozinhar uns minutos até o tomate estar desfeito e o molho apurado.


Para o recheio usei o que tinha à mão e a olho. Mas coloquei por esta ordem os seguintes ingredientes: molho de tomate, óregãos e manjericão seco, meias luas finissimas de cebola, queijo mozzarela ralado, cogumelos, pepperoni ou salame, fiambre, azeitonas pretas laminadas e tomate cereja em metades. Cubro com mais queijo, óregãos e rego com um fiozinho de azeite. Vai ao forno a 220º durante aproximadamente 15/20 minutos.





A segunda versão, diferente da que habitualmente faço, levou como recheio um refogado feito com azeite, tomate cereja, cebolas em meias luas, orégãos e manjericão, bacon e chouriço em cubos e azeitonas pretas laminadas, coberto com queijo mozzarela ralado.


03 novembro 2008

Massada de peixe e marisco

Como sabem sou algarvia de gema. "Moça marafada" como por cá se costuma dizer. Mas sou em tudo. No sotaque, no gosto pelas tradições, pelos usos e costumes e, claro está, pela gastronomia. Acho que cada região tem os seus atractivos próprios que não são mais do que os ricos legados que os antepassados foram deixando e que escrevem a história de cada recanto do nosso país. É isto que nos distingue e nos torna mais ricos.


Sou uma apologista de manter as tradições e recriá-las, de uma forma mais ou menos actual, mas sem nunca as esquecer. Ainda este sábado, dia de Todos os Santos cá em Portugal, fiz questão de comer os bombons de figo, as estrelas e os figos cheios como me lembro de o fazer há anos! E estas tradições sabem tão bem...

E como andava há uns tempos com apetites de massada de peixe, que é um prato típico do Algarve, no sábado de manhã no mercado deitei os olhos a umas chaputas e não pensei duas vezes. Vieram no saco já esfoladas e arranjadas, prontas para a bela massada.

Querem saber como fiz?



Massada de peixe e marisco

Ingredientes: 1 chaputa grande (ou outro peixe de polpa dura), 300gr de mistura de mariscos (miolo de amêijoa e mexilhão, camarão e delicias do mar), 2 1/2 chávenas de água da cozedura do peixe (aproximadamente 1 lt), 1 chávena mal cheia de massa cotovelinhos, 2 tomates maduros pelados e sem grainhas, 1/2 pimento verde, 1 cebola grande, 3 dentes de alho, 2 colheres de sopa de vinho branco, um punhado de coentros frescos, 1 folha de louro, hortelã, azeite, sal e pimenta q.b.

Cozer o peixe em água com sal. Coar a água da cozedura e reservar. Limpar o peixe de espinhas e peles e separá-lo em lascas.

Picar a cebola e os dentes de alho e levar ao lume num tacho de barro com o azeite. Quando estiverem translúcidos adicionar o tomate e o pimentos em cubos, a folha de louro e os coentros. Regar com o vinho e deixar cozinhar uns minutos. Juntar a mistura de mariscos e a água da cozedura. Temperar com sal e pimenta a gosto, tapar e cozinhar uns minutos. Juntar a massa, voltar a tapar o tacho e deixar em lume brando cerca de 20/30 minutos, até a massa ficar al dente. Rectificar temperos se necessário, adicionar o peixe e apagar o lume.

Colocar a hortelã, deixar apurar uns minutos com o tacho tapado e servir.


Posso-vos garantir que matei, e bem, as saudades!

No final faltava algo doce e como não havia sobremesa, improvisámos um gelado de natas com pedacinhos de fudge brownie e topping de chocolate (passo a publicidade nas fotos). Maravilha!


Boa semana!!

02 novembro 2008

Brioche entrançado com amêndoa (na mfp)

O fim de-semana está no fim e eu acho que nem dei por ele passar.. É sempre assim, o fim-de-semana serve, na grande maioria das vezes, para fazermos o que não conseguimos fazer durante a semana. O resultado? Chegamos mais cansados à segunda do que muitas vezes à sexta!

Ah! Mas também há tempo para fazermos algo para nós, mais que não seja um bolinho, um pãozinho doce.. Até porque os dias frios estão literalmente aí e sabe tão bem estar na cozinha com o calorzinho do forno e o cheiro do pão..

Este brioche veio do blog Pralinettes e revelou-se a companhia perfeita para a tarde fria e cinzenta de hoje!




Brioche entrançado com amêndoa

Ingredientes para a massa (para 2 brioches grandes): 250ml de leite, 75 gr de manteiga, 3,5 colheres de chá de levedura, 1 colher de chá de sal, 4 colheres de sopa de açúcar em pó, 1 saqueta de açúcar baunilhado, 450 gr de farinha

Ingredientes para a guarnição: 150gr de manteiga derretida (usei 80gr), 60gr de açúcar (usei 40gr), 150gr de amêndoa picada (usei 80gr), 1 ovo batido com uma gota de água para pincelar

Coloque os ingredientes na máquina de fazer pão (MFP) pela ordem indicada e seleccione o programa amassar. Após ouvir o bip retire a massa da cuba, faça uma bola (fig 1) e divida-a em duas.

Espalme e estique cada bola com ajuda do rolo da massa (3mm). Pincele cada rectangulo de massa com a manteiga derretida e polvilhe-os com a amêndoa e o açúcar (fig 2). Dobre cada rectangulo em 3 (fig 3) e dobre-os depois ao meio (fig 4).




Corte em cada um em 3 tiras (fig 5), deixando uma margem de aproximadamente 2cm em cima. Entrance-os (fig 6) e dobre as extremidades da trança, unindo-as em baixo (fig 7).



Deixe levedar aproximadamente 50 minutos em forno a 50º. Pincele com o ovo batido (fig 8)e coza em forno a 180º, durante cerca de 20 minutos (verifique o interior com um palito).